Terapia de Vidas Passadas – Abordagem espiritual

           chakras 

            

            Abaixo segue trecho de meu livro, O Fio de Ariadne, da página 27 a 29, explicando como é o meu trabalho.

“A nossa abordagem de TVP (Minha e de Hugo Lapa) é bastante espiritual, mas busca uma integração de diversos aspectos. Como eu e Hugo somos psicólogos (e eu também historiadora), fomos fazendo a integração do conhecimento acadêmico com o conhecimento iniciático e espiritual.

            O método tem como característica explorar várias possibilidades dentro do psiquismo humano. Consideramos dentro do tratamento a harmonização de:

* Personalidades de passado, pensando nelas como tendo um certo grau de autonomia dentro do psiquismo, conforme conferimos energia a elas. Por isso entenda-se que as nossas personalidades de passado podem se projetar e causar sintomas, como se fossem terceiras pessoas.

* Subpersonalidades: dissociações da vida atual, que podem se dissociar tematicamente ou por alguma questão em determinada idade.

* Obsessores: terceiras pessoas, encarnadas ou desencarnadas, que estejam interferindo sobre a pessoa por questões pessoais ou grupais.

* Magia ou aparelhos parasitas: seja goécia (magia negra), arquepadia (magia de passado) ou aparelhos parasitas implantados, é possível identificar e tratar esse tipo de energia.

            A parte teórica (apenas a teórica) de nosso trabalho se mescla com a Apometria, técnica de tratamento espiritual desenvolvida pelo Dr. José Lacerda de Azevedo e que continua sendo estudada atualmente. Um dos maiores nomes desse grupo de pesquisadores atual é meu professor, J.S. Godinho.

            Eu e Hugo temos um grupo de atendimento de Apometria, o Grupo Mahaidana. A Apometria, por ser um tratamento mediúnico, é feita de forma voluntária e gratuita. Ela compartilha com a TVP apenas a teoria: corpos, chakras, personalidades de passado, subpersonalidades etc.

            Na nossa abordagem usamos técnicas de visualização mental para que o paciente consiga entrar em regressão sem hipnose passiva, apenas com uma indução mental direta ao estado alterado de consciência. Pela visualização (eu costumo utilizar um anfiteatro, e Hugo, uma estrada) é possível saber quantos temas serão tratados na terapia e quantas vidas fazem parte de cada tema.

            É comum que esse número não se mantenha fixo e que no decorrer da terapia uma parte vá sendo harmonizada e, conforme o caso, seja levantado um novo grupo de personalidades para serem tratadas. Em média, até a alta tratamos de 20 a 30 vidas. Casos graves e recorrentes podem envolver um número maior.

            É feita a aproximação com o mentor espiritual (ou mentora) da pessoa e durante todo o processo terapêutico esse contato é incentivado. Nem todos os pacientes conseguem perceber claramente sua presença, alguns percebem apenas cores ou sensações. Esse contato é incentivado porque partimos do pressuposto que o mentor ou mentora acompanha o paciente durante toda a sua vida enquanto a participação do terapeuta será mais breve.

            Enfatizamos inclusive a importância da terapia ser rápida, focada e ir direto ao assunto, sem cultivar dependência. O tratamento dura em média de 10 a 20 sessões quinzenais de duas horas. Busca-se o autoconhecimento e o desenvolvimento da força interior.

            Trabalhamos além disso a questão da proposta encarnatória, onde foram decididos os principais eventos pelos quais a pessoa iria passar na atual encarnação e quais virtudes deveriam ser desenvolvidas. É possível também visualizar a sala de acordo, onde a pessoa pode ter sido (re)apresentada a seus pais e ter sido informada sobre qual a importância de reencarnar através deles. A proposta encarnatória e a sala de acordo que precedem a vida atual costumam ser as mais importantes, mas podemos trabalhar com propostas encarnatórias de vidas anteriores também.

            Também trabalho com os Florais Havaianos, desenvolvidos por Penny Medeiros e, atualmente, Ken Carlson. São 70 essências, que têm como foco a harmonização dos nossos seis corpos espirituais: corpo físico, Duplo Etérico, Corpo Astral, Mental Inferior, Mental Superior e Búdhico. O Átman, como é denominado o último corpo, não pode ser harmonizado, pois ele é nossa centelha divina.”

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s