Download de Apostila sobre Terapia de Vidas Passadas – Gratuito

Olá a todos!
Pessoal, esse é o link para uma apostila de Terapia de Vidas Passadas elaborada pelo meu parceiro de trabalho e marido, Hugo Lapa.
Fruto de um ano de trabalho, é o primeiro de 3 volumes.
Ao invés de publicar como livro, optamos em disponibilizar para download gratuito, para que possa atingir o máximo de pessoas.
O objetivo é levar a leigos, estudiosos e terapeutas informações completas sobre a TVP.

Conteúdo do primeiro volume:

1 – Introdução à Terapia de Vidas Passadas

A Terapia de Vidas Passadas
Contraindicações
As distorções da Terapia de Vidas Passadas

2 – Leis naturais

A Reencarnação
A Metempsicose
O Conceito Annata Budista
O Karma ou Lei de Causa e Efeito
O Karma Coletivo
O Karma Bumerangue
O Livre arbítrio
A Evolução Espiritual
O Dharma
O Princípio Holonômico
A Sincronicidade
A Coincidência

3 – Correntes de Pensamento

O Espiritismo
A Teosofia
Budismo Tibetano (O Livro Tibetano dos Mortos)
As Ordens Iniciáticas

4 – O Terapeuta de Regressão

A Ética do Terapeuta
A Relação Terapêutica
A Empatia
A Equipe Espiritual do Terapeuta
A Intuição

5 – Hipnose

O Mesmerismo de Franz Anton Mesmer
A Hipnose
O Transe
A Amnésia pós-hipnótica
A Hipnose Regressiva
A Hipnose Ericksoniana
As Ondas cerebrais

6 – Tempo, Memória e História Oculta

O Tempo
A Memória Extracerebral
Os Arquivos Akashicos
O Continente Perdido da Atlântida
O Continente Perdido de Mu (Lemúria)

7 – Tipos de Regressão

A Análise de Vidas Passadas
A Regressão
A Regressão Espontânea
A Regressão em Grupo
A Regressão Simbólica
A Regressão à vida animal
Regressão à vida mineral
Regressão em Espíritos
Regressão a vidas felizes
Regressão a vidas paralelas
Progressão a Vidas Futuras
A Autorregressão

8 – Anatomia Sutil Humana

A Anatomia Sutil
O Espírito
A Alma
Eu Superior
Corpo astral
Cordão de prata
Corpo Etérico
Corpo Físico
A Aura
Os Chakras
Os Nadis
Os Átomos Permanentes

9 – Psiquismo Humano

O Ego
A Personalidade
O Inconsciente
O Caráter
A Aptidão
As Emoções
Os Skandhas
Os Sonhos
COEX

10 – Fases da Regressão

O Roteiro Kármico (ou Plano de Vida)
Os Senhores do Karma
A Vida intrauterina
O Nascimento
A Descida
A Morte
A Morte consciente
A Revisão de vida
O Suicídio
A Experiência de Quase-Morte
O Kamaloka
O Bardo
O Devachan
O Entrevidas
A Metaconsciência

Acessem, baixem, divulguem e boa leitura!

http://www.4shared.com/dir/1VV5EVx3/Apostila_Hugo.html

Um abraço!

Camila Sampaio
Terapia de Vidas Passadas
http://www.terapiadevidaspassadas.net
(11) 9502 2176

Anúncios

Regressão simbólica

      blog

      Muitas pessoas pensam que a Terapia de Vidas Passadas acontece como se fosse um filminho, uma história que vai sendo contada. Para algumas pessoas é assim de fato, mas para muitas não.

      Um tipo específico de pessoas tem o que chama-se Regressão Simbólica. A pessoa pode ter os seguintes tipos de percepção:

 Objetos que remetem a algo

      Por exemplo, a pessoa vê uma taça. Essa taça remete a prosperidade, ou à necessidade dela buscar se nutrir mais com coisas que goste. Em situações assim, sempre cabe ao terapeuta perguntar o que aquele objeto quer dizer para ela, qual o significado que tem em sua vida.

      Regressões assim acabam ficando parecidas com a Associação livre de Freud, e é exatamente essa a idéia: ir configurando o psiquismo como se fosse um quebra-cabeças. A diferença é a leitura que daremos às imagens, considerando que tanto elas podem remeter a algo da vida atual como também de vidas passadas ou de um período entre vidas no astral.

 Cenas em lugares abstratos

      Por exemplo, uma paciente percebeu uma vez um prédio comercial. Ao ser investigada a cena, foi visto que não era  nenhum prédio que ela conhecesse ou conheceria, era um prédio genérico que foi mostrado com o objetivo de chamar a atenção dela para seu lado profissional, que ela estava negligenciando.

      É comum também aparecerem cenários de sonhos recorrentes, cujo conteúdo foi criado justamente para simbolizar algo que a pessoa precisava entender em sua caminhada evolutiva. Na regressão esse cenário é retomado para que o psiquismo expresse o que exatamente queria dizer.

 Cores e formas

      Muitas pessoas – mais do que se pensa – percebem apenas cores, luzes, fachos de luz, sombras passando em suas regressões. É como se o inconsciente fosse se comunicando em forma de cromoterapia, simbolizando situações negativas com cores escuras e o amparo espiritual com cores claras.

      Também acontece da percepção ser uma série de formas geométricas desconexas, mais ou menos como o plano de fundo do Windows Media Player. De alguma forma a energia negativa de passado vai sendo transmutada sem que necessariamente a pessoa entenda como.

 Animais

      Também podem aparecer animais guias, que nos levam para cenários impalpáveis. Nesse caso, a idéia é exatamente o que é descrito no livro “Resgate da alma” (que está nas leituras indicadas) como configurando uma viagem xamânica. O diferencial é que o próprio paciente vivencia isso, e justamente por alguns não terem treino mediúnico não conseguem perceber de forma mais tangível o que acontece.

      O animal que aparece pode ser o próprio animal de poder da pessoa (o que no xamanismo seria similar ao que conhecemos por mentor) ou pode estar trazendo alguma mensagem associativa, seja pelas próprias características do animal, seja por algo que ele lembre.

       Em qualquer uma das possibilidades, o que importa não é a forma de acesso da pessoa, mas sim o trabalho de drenagem e transmutação feito na sessão.

      Para muitas pessoas que têm regressão simbólica a impressão é de decepção, por estarem esperando algo diferente. Mas mal elas sabem o quanto aquele conteúdo, aparentemente inocente, pode ser absolutamente profundo e até iniciático na sua história pessoal.

      É comum que a pessoa ao vivenciar os efeitos benéficos da regressão não associe sua melhoria ao processo, que para ela foi apenas imaginação, ou algo besta e sem sentido que a mente criou. Não importa, o bom terapeuta está acostumado a acolher esse tipo de percepção e deixar que o tempo se encarregue de mostrar os fatos à pessoa. E caso ela mesmo assim não admita que o processo foi responsável pela mudança, o que vale é saber que foi possível ajudá-la com os símbolos, mesmo que ela não perceba.

      Caso na sua experiência sua regressão seja simbólica, não se preocupe. Se entregue ao processo, mesmo que o racional tenha dificuldades. Nosso lado simbólico é muito mais sábio do que nosso lado intelectual, e sabe o que está fazendo. Claro, em regressões assim é fundamental o preparo do terapeuta, mais ainda do que normalmente. (leia artigo sobre isso aqui)

      Deixe os símbolos te harmonizarem e fazerem seu trabalho, aliado ao bom terapeuta o resultado é surpreendente!

Camila Sampaio

Atendimento em São Paulo

Site: http://www.terapiadevidaspassadas.net

E-mail: camilasampaio@yahoo.com.br

Fones: (11) 9502 2176

Quero ser terapeuta de vidas passadas

terapeuta vida

Muitas pessoas me perguntam, quando se interessam em fazer meu curso de formação, quais são os requisitos necessários para ser um terapeuta de vidas passadas.

 Muitos pensam que o número 1 é ser formado em Psicologia. E eu sinceramente respondo: discordo. A Psicologia é importante, é aconselhável buscá-la, mas ela não é um pré-requisito.

 Nunca aprendi uma palavra sobre o que pratico na faculdade de Psicologia. Ela me ajudou no treino de como conduzir uma anamnese e como fazer intervenções, sem dúvida. Mas como ela pode ser pré-requisito se todos os assuntos que trato no consultório com TVP são renegados pela Psicologia? Como ela pode ser pré requisito se a maioria dos internos em hospitais psiquiátricos sofrem de doenças que a TVP pode ajudar (pois as vê sob uma abordagem oposta) e eles estão lá, jogados em um canto, sem ninguém que se preocupe com o que eles pensam? Como posso considerar pré-requisito uma disciplina que classifica como alucinação visual algo que em TVP vou tratar como sendo fato em uma vida passada?

Como expliquei no post “Terapia de vidas passadas é Terapia!”, considero a Psicologia, quando bem utilizada, uma grande aliada. Mas não a base.

Como base, para quem realmente quer ser um bom terapeuta de vidas passadas – como me proponho a ser – considero o que direi abaixo uma espécie de “10 mandamentos” do bom terapeuta. São os princípios que busco no meu dia-a-dia e que recomendo que meus alunos busquem. São eles:

  1 – Irei estudar o resto da vida (essa e as próximas)

 Trabalhar com TVP significa estudo eterno. Quando a gente pensa que acabou, descobre mais um livro, mais um autor, mais uma linha de pensamento. O bom terapeuta é devorador de livros e peregrino de sebos. É apaixonado pela boa leitura e pela constante evolução do pensamento.

  2 – Serei uma pessoa íntegra, que pratica o que fala

 Depois dos livros e do conhecimento teórico, a prática vivencial é fundamental. Não adianta nada se encher de conceitos teóricos e esquecer o principal: as pessoas. Nosso papel com o conhecimento é colocá-lo em prática. O bom clínico, além de intelectual, tem o seu lado “Patch Adams” de ser: é carinhoso, acolhedor, bem humorado, compassivo.

 3 – Minha prioridade será sempre o bem estar do cliente

Em qualquer impasse que surja na vida profissional, o bom terapeuta vai buscar a resolução sempre com base nos interesses do cliente. Claro, não irá sacrificar sua vida pessoal, mas por exemplo: vou receber uma pessoa que precisa ser atendida em x horário, e nesse horário tenho uma reunião de família. Solução do bom terapeuta: a família espera, ou ele vai na reunião e sai mais cedo. Esse é um entre outros vários exemplos, mas já dá uma idéia…

 4 – Desenvolverei e praticarei minha espiritualidade

 Sempre enfatizo muito essa parte para os alunos: como terapeuta de vidas passadas, você por definição será obsediado. Você terá sob sua responsabilidade média de 20 pessoas ao mês, e cada obsessor de cada um delas irá se unir para tentar sabotar o tratamento. Logo, cabe ao terapeuta desenvolver seus estudos espirituais na área que quiser: Espiritismo, Rosa cruz, Umbanda, Budismo etc  – e praticar.

De preferência, é bom que o terapeuta trabalhe em alguma atividade ligada a desobsessão. Assim, poderá cuidar sempre de sua manutenção energética.

Um terapeuta de vidas passadas que não faz trabalho espiritual é algo similar a depositar uma tonelada de lixo em um terreno todos os dias e não chamar o lixeiro para retirar todo o entulho acumulado. E isso em termos energéticos é literal, não é uma metáfora!

 5 – Não focarei minha vida apenas em ganhos materiais.

O ganho material deve ser sempre consequência, e não causa. A TVP dá bastante retorno, pois tem uma procura alta, mas é lamentável assistir pessoas que cobram preços exorbitantes pela consulta, ou que formam lista de espera em seus consultórios, ao invés de encaminharem para colegas.

Como ser humano vivendo no novo milênio que estamos, sempre acreditei que o dinheiro não deve ficar apenas para si, deve ser usado para fins mais elevados e mais coletivos. Logo, não há nada de errado em atender e ter uma vida confortável – o problema é ficar apenas nisso. E também é um problema negar ajuda a quem não possa pagar menos.

  6 – Ouvirei cada pessoa com o respeito que ela merece

Como terapeuta de vidas passadas, você irá receber pessoas de todos os tipos, com todos os tipos de problemas. Ouvirá afirmações não politicamente corretas e nem recomendáveis, como “eu odeio minha mãe” ou “eu sou garota de programa” ou “passei a perna em meu colega de trabalho ontem”.

O nosso papel não é defenestrar a pessoa nem negar atendimento, ou menos ainda julga-la. Nosso papel é prestar ajuda e buscar de onde está vindo aquele comportamento desarmônico.

  7 – Verei com olhos de ver

Em TVP, nada é o que parece. Um sintoma inocente pode ter uma história longuíssima por trás, um sintoma grave pode ter uma história simples de resolver. Um comportamento pode estar sendo causado por influência de um terceiro, quarto ou quinto. As sensações que o paciente causa nas pessoas e no terapeuta normalmente estarão sujeitas a dúzias de fatores.

Logo, o principal treino que o terapeuta terá é buscar o que está por trás daquilo. Mas não só no sentido psicanalítico: em todos os sentidos que todas as teorias de Psicologia permitem: qual crença cognitiva está por trás do comportamento (e de qual personagem de passado), qual Gestalt não foi fechada, o que está bloqueando o crescimento pessoal da pessoa, a quais condicionamentos operantes ela foi submetida no decorrer das encarnações, que arquétipos e complexos ela está vivenciando, e por aí vai.

O terapeuta fará justamente o casamento entre o conhecimento intelectual e o espiritual. E para um bom casamento, é fundamental uma intuição aguçada, trabalhando com atenção para ter olhos de ver.

  8 – Dedicarei minha vida a transformar o mundo

Pode parecer idealista, mas não é. A transformação do mundo acontece com o trabalho de várias formiguinhas juntas trabalhando incansavelmente.

Se você pensar que a cada paciente que atender estará transformando a vida dele e de todos que o cercam, você estará afetando a vida de no mínimo 20 pessoas a cada pessoa que atende. A partir daí, é só fazer as contas para ver o alcance!

  9 – Resolverei minhas pendências pessoais

Dentro de todo esse quadro, o terapeuta tem a responsabilidade de buscar harmonizar o máximo possível todas as áreas da sua vida. Resolver relacionamentos desarmônicos (familiares, afetivos, sociais), ser uma boa pessoa de fácil trato, se desvencilhar de qualquer esquema doentio.

E isso não envolve ser o bonzinho legal que todo mundo adora. Às vezes para mudarmos as coisas precisamos ser firmes e até antipáticos, até que tudo se resolva. Afinal, a minoria das pessoas vive sua vida pautada no bem comum, a grande maioria vive pautada no bem individual. Alguém que vive pautado no bem comum será visto como diferente e como radical.

Por exemplo, já ouvi de pessoas que saíram do grupo espiritual que coordeno que sou ditadora e mandona. Mas essas pessoas, em dia de trabalho, queriam sair com amigos ou visitar familiares ao invés de vir atender quem já tinha marcado sua vez há meses atrás. Esse é um exemplo de quando responsabilidade social e comprometimento com o bem comum pode soar como chatice… E não me incomodo, se é esse o problema, sou chata mesmo!

 10 – Serei feliz e farei todos felizes à minha volta

 Por fim, após a terapia pessoal ser feita, todas as pendências resolvidas, e o caminho como terapeuta começar a ser trilhado com sucesso, resta outra tarefa: não deixar que as bobagens do dia-a-dia afetem, e ser sempre feliz. Feliz, alegre, comprometido com as pessoas, com o mundo, com a vida!

O bom terapeuta é aquele que olha para outro ser humano com carinho e com fé em todo o potencial que ele tem de ser mais maravilhoso do que já é. Está tudo ali, dentro dele, pedindo para sair. E cada um tem sua hora para isso. O bom terapeuta sabe que um dia todos serão felizes, porque estarão conectados com seu Eu Superior.

Cabe a ele conectar-se cada dia mais com o seu!

Camila Sampaio

Atendimento em São Paulo

Site: http://www.terapiadevidaspassadas.net

E-mail: camilasampaio@yahoo.com.br

Fones: (11) 9502 2176

Terapia de Vidas Passadas – Abordagem espiritual

           chakras 

            

            Abaixo segue trecho de meu livro, O Fio de Ariadne, da página 27 a 29, explicando como é o meu trabalho.

“A nossa abordagem de TVP (Minha e de Hugo Lapa) é bastante espiritual, mas busca uma integração de diversos aspectos. Como eu e Hugo somos psicólogos (e eu também historiadora), fomos fazendo a integração do conhecimento acadêmico com o conhecimento iniciático e espiritual.

            O método tem como característica explorar várias possibilidades dentro do psiquismo humano. Consideramos dentro do tratamento a harmonização de:

* Personalidades de passado, pensando nelas como tendo um certo grau de autonomia dentro do psiquismo, conforme conferimos energia a elas. Por isso entenda-se que as nossas personalidades de passado podem se projetar e causar sintomas, como se fossem terceiras pessoas.

* Subpersonalidades: dissociações da vida atual, que podem se dissociar tematicamente ou por alguma questão em determinada idade.

* Obsessores: terceiras pessoas, encarnadas ou desencarnadas, que estejam interferindo sobre a pessoa por questões pessoais ou grupais.

* Magia ou aparelhos parasitas: seja goécia (magia negra), arquepadia (magia de passado) ou aparelhos parasitas implantados, é possível identificar e tratar esse tipo de energia.

            A parte teórica (apenas a teórica) de nosso trabalho se mescla com a Apometria, técnica de tratamento espiritual desenvolvida pelo Dr. José Lacerda de Azevedo e que continua sendo estudada atualmente. Um dos maiores nomes desse grupo de pesquisadores atual é meu professor, J.S. Godinho.

            Eu e Hugo temos um grupo de atendimento de Apometria, o Grupo Mahaidana. A Apometria, por ser um tratamento mediúnico, é feita de forma voluntária e gratuita. Ela compartilha com a TVP apenas a teoria: corpos, chakras, personalidades de passado, subpersonalidades etc.

            Na nossa abordagem usamos técnicas de visualização mental para que o paciente consiga entrar em regressão sem hipnose passiva, apenas com uma indução mental direta ao estado alterado de consciência. Pela visualização (eu costumo utilizar um anfiteatro, e Hugo, uma estrada) é possível saber quantos temas serão tratados na terapia e quantas vidas fazem parte de cada tema.

            É comum que esse número não se mantenha fixo e que no decorrer da terapia uma parte vá sendo harmonizada e, conforme o caso, seja levantado um novo grupo de personalidades para serem tratadas. Em média, até a alta tratamos de 20 a 30 vidas. Casos graves e recorrentes podem envolver um número maior.

            É feita a aproximação com o mentor espiritual (ou mentora) da pessoa e durante todo o processo terapêutico esse contato é incentivado. Nem todos os pacientes conseguem perceber claramente sua presença, alguns percebem apenas cores ou sensações. Esse contato é incentivado porque partimos do pressuposto que o mentor ou mentora acompanha o paciente durante toda a sua vida enquanto a participação do terapeuta será mais breve.

            Enfatizamos inclusive a importância da terapia ser rápida, focada e ir direto ao assunto, sem cultivar dependência. O tratamento dura em média de 10 a 20 sessões quinzenais de duas horas. Busca-se o autoconhecimento e o desenvolvimento da força interior.

            Trabalhamos além disso a questão da proposta encarnatória, onde foram decididos os principais eventos pelos quais a pessoa iria passar na atual encarnação e quais virtudes deveriam ser desenvolvidas. É possível também visualizar a sala de acordo, onde a pessoa pode ter sido (re)apresentada a seus pais e ter sido informada sobre qual a importância de reencarnar através deles. A proposta encarnatória e a sala de acordo que precedem a vida atual costumam ser as mais importantes, mas podemos trabalhar com propostas encarnatórias de vidas anteriores também.

            Também trabalho com os Florais Havaianos, desenvolvidos por Penny Medeiros e, atualmente, Ken Carlson. São 70 essências, que têm como foco a harmonização dos nossos seis corpos espirituais: corpo físico, Duplo Etérico, Corpo Astral, Mental Inferior, Mental Superior e Búdhico. O Átman, como é denominado o último corpo, não pode ser harmonizado, pois ele é nossa centelha divina.”

 

Terapia de vidas passadas é terapia!

i-see-dead-people

Muitos consideram que a Terapia de Vidas Passadas é uma vivência, ou uma experiência mística. Que basta uma consulta para resolver todos os nossos problemas, instantaneamente.

Muitos também acham que basta ver a vida passada e pronto, tudo se resolve.

Por fim, um terceiro grupo acha que o mais importante é a conversa com o terapeuta – posterior ou anterior à regressão – para elucidar tudo que houve.

Nenhum dos três está certo, e ao mesmo tempo todos estão. O certo, o ideal a ser buscado, é a união dos três.

De fato, a TVP é uma experiência mística. Chega a ser única, pois sua profundidade é tamanha que em grande parte a experiência é unicamente do paciente, pois em determinadas áreas a vivência é tão íntima que o terapeuta acaba não participando. É como se uma parte da alma se renovasse, tomasse fôlego para continuar sua caminhada evolutiva.

Eu nem deveria dizer que é óbvio que uma consulta não resolve tudo, mas infelizmente muitas pessoas ainda pensam assim. A TVP acabou ficando muito na fronteira entre as Terapias Holísticas e a Psicologia, e isso gera confusão. Muitas Terapias Holísticas são rápidas, o que faz pensar que basta fazer uma sessão de TVP e pronto. A Psicologia na sua maioria é longa e detalhada, o que faz pensar que a TVP só deve ser buscada em último caso.

Na verdade, a TVP é rápida, mas não instantânea – dura de 4 a 9 meses. Deve ser cercada de cuidados, mas também não deve ficar atrás de uma muralha fortificada – com exceção de gestantes, deficientes auditivos, psicóticos graves e cardíacos, todos podem fazer.

Claro, apesar de ter o lado vivência, não basta apenas retomar o evento do passado. É preciso de ajuda terapêutica para harmonizar, drenar, ressignificar, contextualizar e adaptar à realidade atual tudo que é visto.

E sobre a famosa parte da conversa com o terapeuta: ela é necessária, mas não deve ser enfatizada unicamente. Ela faz parte de um processo, e pode ser incentivada durante o próprio processo regressivo, pois em estado alterado de consciência tudo é mais claro.

Já ouvi muitos relatos de pessoas que passaram por terapeutas que faziam uma regressão e cinco sessões de conversa. Isso tem nome: enrolação. Apesar de ser necessária, a conversa só faz sentido quando inserida dentro da dinâmica da TVP, pois a  pessoa buscou a terapia exatamente por isso: pelas vidas passadas.

Já aconteceu bastante de eu ficar sabendo de pessoas que estavam sendo acompanhadas por um terapeuta de vidas passadas e por um terapeuta tradicional, e quando ela passava mal ou precisava falar sobre algo procurava o terapeuta tradicional. Essa mentalidade mostra que talvez as pessoas ainda não tenham entendido que TVP é terapia sim! É terapia e deve sempre ser encarada como tal.

Sou totalmente a favor da parceria com a terapia tradicional, mas sou contra a marginalização da TVP, e a falta de ética de muitos terapeutas tradicionais, que chegam a ser contra a TVP e às vezes chegam até a indicar que a pessoa não faça.

O caminho para esse impasse se resolver é a qualificação cada vez maior do terapeuta de vidas passadas, que deve ter como missão máxima ler, estudar, se aperfeiçoar, e fazer juz à toda a complexidade de seu trabalho. Além disso, quanto mais produção científica e séria for feita sobre a TVP, mais informação os psicólogos terão para perderem seus preconceitos equivocados.

Considere seu terapeuta de vidas passadas tão terapeuta quanto o seu psicólogo, pois ambos estão trabalhando pela sua harmonização com todo o carinho, cada um em sua especialidade!

Camila Sampaio

 

Atendimento em São Paulo

Site: http://www.terapiadevidaspassadas.net

E-mail: camilasampaio@yahoo.com.br

Fones: (11) 9502 2176

Quais os critérios para avaliar se o terapeuta é bom?

terapeuta1

 

 Como moderadora da maior comunidade do Orkut, e como clínica atuante, sou muitas vezes procurada nesse sentido, tanto por pessoas que querem avaliar meu trabalho quanto por pessoas de outros estados e países que querem minha opinião sobre o terapeuta ao qual estão submetidas.

Claro, meu objetivo aqui não é arrogante, de dizer que sou uma terapeuta maravilhosa e superior aos outros. Meu objetivo é nortear quais devem ser os parâmetros para encontrar um bom profissional, dentro da realidade vigente no mercado.

Avalie seu material de divulgação

No mundo de hoje, todo bom terapeuta de vidas passadas tem um bom site, e normalmente livro publicado. É importante ler esse material com cuidado antes de marcar a sessão, para ver se está de acordo com o que você está buscando e acredita.

Embora o leigo não saiba, existem várias abordagens sobre a Terapia de Vidas Passadas no Brasil. Umas mais científicas, outras mais espirituais, outras mais meditativas.

Dentro de cada abordagem, o bom terapeuta será sempre neutro na parte espiritual, jamais incentivando o cliente a seguir essa ou aquela linha, e jamais adaptando seu trabalho a uma determinada religião para atrair esse público específico.

Para quem não sabe, a TVP tem 4 teóricos principais: Morris Netherton, Hans Tendam, Roger Woolger e Edith Fiore. Qualquer abordagem séria deriva deles, e é bom checar se o terapeuta está familiarizado com o trabalho dos quatro autores.

Verifique na internet e com conhecidos se há queixas contra ele(a)

Caso o terapeuta tenha cometido alguma falta grave, a propaganda boca a boca é a principal para que isso seja conhecido do público. Deve-se sempre checar a informação, naturalmente, para elucidar se trata-se de uma questão pessoal, mas se um terapeuta é mal falado pelo público normalmente não é um terapeuta sério.

Infelizmente, a maioria das pessoas não denuncia quando é mal atendida, por não querer levar o caso adiante. Caso isso fosse feito, seria uma ótima forma de facilitar a otimização do quadro de profissionais, já que os terapeutas ruins não conseguiriam mais clientes e seriam obrigados a se retirar do meio. Isso já costuma acontecer, mas a passos menos rápidos do que seria ideal.

Não acredite em resultados miraculosos

A TVP é rápida, mas não é milagre. Qualquer terapeuta que prometa cura em poucas sessões estará fazendo propaganda enganosa, pois o inconsciente de cada um é único e não é possível prever a priori a duração do tratamento.

Entre terapeutas sérios, é comum que a terapia dure no mínimo 4 meses, podendo se estender a um ano ou mais.

Também não se permita ser enrolado

Por outro lado, muitos terapeutas – por motivos financeiros – acabam estendendo a alta da terapia muito além do que deveriam, para não perderem o cliente.

Naturalmente essa é uma atitude burra, pois mais vale fazer um bom trabalho e receber indicações do que ficar recebendo por consultas enrolativas. Logo, responsabilize-se sempre por saber o andamento do tratamento e perceber os resultados em si, nem rápido demais nem lento demais.

Verifique a ética pessoal

Um bom terapeuta de vidas passadas precisa ter um bom conhecimento espiritual e uma vida condizente com os princípios que divulga. Em pequenas atitudes, essas virtudes são demonstradas: sensibilidade, pontualidade, respeito ao próximo, dedicação ao trabalho, preocupação com a harmonização do cliente e do ambiente onde a terapia é feita, erudição, energia positiva, cobrança correta pelos honorários.

Nada pior do que um terapeuta que não se cuida, que possue uma vibração baixa, ou que é uma pessoa desagradável e de difícil trato. Isso significa falta de supervisão, de terapia pessoal e de harmonização espiritual – absolutamente necessária para os bons profissionais do ramo.

Já ouvi relatos de terapeutas que atenderam o celular no meio da sessão e ficaram explicando para um possível novo cliente como funcionava o tratamento, enquanto o pobre cliente atual estava lá no meio de sua regressão. Uma atitude como essa é inadmissível e lamentável.

Verifique a formação do terapeuta

Um bom terapeuta estudou, e muito. O conhecimento da TVP é muito específico e detalhado, e requer sólido conhecimento e prática. Verifique que curso de formação ele fez e qual foi sua duração.

Nunca busque um terapeuta que fez um curso de final de semana ou breve, pois ele não terá o conhecimento e prática para intervir caso alguma situação mais complexa se apresente.

Tome cuidado também com pessoas que criaram teorias mirabolantes sem embasamento teórico, por “revelação espiritual”. Se uma teoria é consistente há estudos sobre ela (feitos por mais de uma pessoa) e resultados comprpvados. E se a teoria faz parte da TVP, encontra respaldo nos autores já citados, senão trata-se de outra corrente que não deve ser encarada como TVP.

Fique atento à empatia

Por fim, o terapeuta pode ser o mais credenciado do mundo, mas o fator empatia é muito importante. Caso você não se sinta à vontade com ele ou ela, busque expor o que incomoda, pois pode haver algo a ser feito. Caso não haja nenhuma solução possível, ou não haja abertura do profissional para debater o assunto, busque outro especialista.

Lembre-se: qualquer bom terapeuta está aberto a críticas, investigações e colocações de seus clientes ou pessoas que estejam buscando seu trabalho. Quem tem uma boa formação e confia no que faz não tem o que temer ou melindrar, e será humilde para colocar-se à prova.

Espero que as orientações sejam úteis e que sua terapia seja maravilhosa!

Camila Sampaio

Atendimento em São Paulo

Site: http://www.terapiadevidaspassadas.net

E-mail: camilasampaio@yahoo.com.br

Fones: (11) 9502 2176